Neste sábado (20), a partir das 17h40, os atletas da 28ª Caminhada Ecológica finalmente vão se encontrar com as águas do Rio Araguaia, no porto de Aruanã, após 310km e cinco dias de dores, lesões, calor durante o dia e frio nas madrugadas. Para os mais experientes, que participaram do projeto mais de uma vez, será um reencontro. Para oito estreantes, será a primeira sensação de participar do maior evento do gênero, na América Latina, com a dádiva de se molhar no principal rio goiano.

Cada atleta quer mergulhar no Araguaia à sua maneira. Cada qual quer depositar, ali, as suas emoções, o seu desejo pessoal, a recompensa de caminhar pelas ruas da cidade até poder se molhar e dizer que concluiu a jornada na Caminhada Ecológica, que é realizada pelo POPULAR / Grupo Jaime Câmara (GJC).

Para o violeiro Almir Pessoa, o que fazer quando chegar ao Rio Araguaia ainda “é algo a ser sentido.” Músico de mão cheia, Almir Pessoa havia dito, ao POPULAR, que pretendia sentir o som da natureza, observar a paisagem, se inteirar de como é o cotidiano de um atleta. Antes mesmo da largada, dois dias antes, pegou papel e a viola, rascunhou umas ideias e compôs a música “Heróis da natureza”, uma guarânia que ele apresentou na Associação Campo da Paz, em Faina, em noite de lua cheia, após um dia de dureza.

“Aqui (Caminhada Ecológica) não há atletas profissionais. São todos trabalhadores. Veja só que esforço. Todos se doaram. Sentiram dores, se trataram e seguiram. Por isso, são os heróis da natureza”, disse o violeiro, que tem conseguido suportar muito bem a dureza do percurso. Ao longo de quatro dias, Almir Pessoa teve duas sensações diferentes. A primeira foi de estar na rodovia e se surpreender com a chegada de atletas que estavam em tratamento e, mesmo assim, voltaram a caminhar. A segunda, foi quando sentiu dores e precisou ser medicado. Um pouco à frente, ele viu um senhor segurando um andador. “Estava com dores. Deu uma vontade danada de abraçar aquele senhor. Fui atendido (pelas equipes de apoio) e corri para abraçá-lo.”

Almir Pessoa estreou na 28º Caminhada Ecológica com olhar sensível de um artista e sai com uma música pronta. Para o carteiro Fernando Rodrigues, será a sensação de “mergulhar em algo desconhecido (Rio Araguaia) e sentir isso pela primeira vez.” Afinal, Fernando não conhece o rio. “Conheço praias no Sul, Sudeste, Nordeste. Mas não conheço as praias do Araguaia. Eu vi muitas coisas boas nesses dias. Vi pôr- do-sol, luar, amanhecer. Agora, vou ver e sentir como é mergulhar no rio (Araguaia). É a primeira vez”, disse o atleta estreante.

Na 11ª participação, Rosana Corrêa já sentiu a sensação do mergulho. Mas passou por uma situação inusitada, pois o rosário que ela sempre carrega durante o percurso se danificou na subida à Igreja de Nossa Senhora Aparecida, no Povoado de Areias, próximo à Cidade de Goiás. Sem o terço, ela ganhou de presente da colega e capitã neste sábado, Sandra Luiza Rodrigues, uma outra peça para substituir o que havia estragado.

Rosana, Sandra e outros atletas, nesta sexta-feira (19), iniciaram processo de oração e votos de recuperação plena ao atleta José Maria dos Santos, que teve uma arritmia cardíaca e foi removido para o Hospital de Faina. Dali, acompanhado pelo médico da 28ª Caminhada Ecológica, Paulo Milad e na Unidade de Resgate (UR) do Corpo de Bombeiros, foi encaminhado no fim da tarde para Goiânia, para ser atendido e diagnosticado no Hospital Anis Rassi. Estava consciente, segundo o diagnóstico. Assim, José Maria deixou a 28ª Caminhada Ecológica, na qual completaria 16 participações.

A 28ª Caminhada Ecológica é realizada pelo POPULAR/Grupo Jaime Câmara (GJC), com patrocínio de Unimed Goiânia. O evento tem apoio de Detran/Governo de Goiás, Belcar, Bio Resíduos, Fast Açaí, Hospital Anis Rassi, Unifan, Sesi, Saneago, Casa da Nutrição Suprimentos e Probiótica. O apoio logístico é do Batalhão Rodoviário e do Corpo de Bombeiros de Goiás.