O comitê organizador da Copa do Mundo de 2022 confirmou de forma oficial nesta terça-feira que ainda não decidiu se construirá 12 estádios para a competição, conforme havia se comprometido a erguer quando o Catar apresentou a sua proposta para sediar a competição.

Por meio de um comunicado, que serviu como resposta a informações difundidas na última segunda-feira, segundo as quais apenas oito arenas serão levantadas para o Mundial, o comitê disse que é comum os países organizadores de Copa revisarem suas propostas antes de propor as "cidades-sede e os projetos dos estádios" para serem aprovados pela Fifa.

"É o mesmo processo ao qual se submetem todos os países que organizam um Mundial. Para o Catar o processo de selecionar as cidades-sede está em curso", afirmou o Comitê Supremo para Entrega e Legado da Copa de 2022, que depois enfatizou: "O requisito mínimo é de oito estádios e o máximo é de 12".

Em maio do ano passado, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, afirmou que o Catar poderá organizar a Copa com oito estádios, apesar de inicialmente ter prometido construir 12. Naquela ocasião, o dirigente disse que as negociações em relação ao tema com os organizadores do Mundial "seriam pragmáticas" e que em conjunto seria definido o "número adequado" de arenas para a competição.

A Fifa exige o mínimo de oito estádios para abrigar os 64 jogos de uma Copa, sendo que o Mundial de 2014, no Brasil, contará com 12, assim como ocorrerá com a Rússia, sede da Copa de 2018. Quando se elegeu sede da competição, em decisão polêmica da entidade que controla o futebol do planeta, os catarianos superaram Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul e Austrália como concorrentes. E, por causa do calor escaldante no Catar, os organizadores da competição chegaram a prometer ar-condicionado nos estádios, além de bilhões de dólares em projetos de infraestrutura.

Em 2010, quando o documento oficial de candidatura à Fifa foi revelado e o Catar acabou ganhando a disputa para ser sede da Copa de 2022, o comitê organizador do país prometeu gastos na casa dos US$ 3 bilhões para a competição, assim como se comprometeu a reformar três estádios já existentes e erguer outros nove novos.