Na largada, na Basílica de Trindade, a celebração e a aspersão, feita pelo padre Wellington, sobre cada atleta e integrante da 28ª Caminhada Ecológica, às 5 horas. Foi assim que os 29 atletas - 25 homens e 4 mulheres - que participam do evento iniciaram o primeiro dia. Se foram molhados com água, querem se molhar nas águas do Rio Araguaia, sábado, a partir das 17 horas, quando chegam a Aruanã.

Inseridos na natureza e, ao mesmo tempo, preocupados com ela, os atletas foram percorrendo as cidades do primeiro dia. Saíram de Trindade, tomaram café da manhã em Goianira, lancharam nos trevos de Brazabrantes e Caturaí, almoçaram em Inhumas e concluíram os 68km em Itauçu, município onde estão as nascentes do Rio Meia Ponte, que abastece 48% da população de Goiás e abrange pelo menos um terço da população do Estado. Pelo menos, os atletas têm um olhar de sensibilidade e crítico, também, sobre a manutenção da vida no rio e sobre o futuro do cerrado, temáticas da Caminhada Ecológica.

Com a bandeira da Caminhada Ecológica e o lema Cerrado #SomosResistência!, os atletas cortaram chão em meio à vegetação muitas vezes devastada. Aposentado, o sargento da Polícia Militar Osmarildo Alves Carlos, de 54 anos, teve recepção especial em Inhumas, município onde trabalhou até se aposentar e mora até hoje.

Único representante da Goiabeira, como a cidade é chamada, Osmarildo relembra que, há alguns anos, participou do projeto Batalhão Verde Mirim. Coordenou crianças, de 10 a 12 anos, por quatro temporadas. Gostou da experiência. “Fazíamos observações sobre o meio ambiente. Plantamos muitas mudas de árvores, às margens do Meia Ponte, em parques, onde foi possível”, contou Osmarildo, que conhece bem o Meia Ponte.

Osmarildo se preocupa, também, com o Cerrado. “Está sendo devastado. Daqui uns dias, não teremos quase nada”, previu o aposentado. Edécio Pontes de Oliveira, de 68 anos, o mais velho atleta, tem visão parecida. Morador de Bela Vista, Edécio trabalhou na lida dura da zona rural. Vê que muita coisa está mudando e, uma delas, é o Cerrado. “Nasci no Cerrado. Não quero que acabe. Hoje, é desmatado e tem muita gente que joga lixo nele”, resumiu.

A experiência de Edécio, na vida e na Caminhada Ecológica, é o que a estreante Lorena Thallita Gaspar, de 34 anos, quer adquirir. Thallita se emocionou ao falar com a reportagem enquanto fazia a primeira sessão de crioterapia - trabalho regenerativo com gelo -, na parada para o almoço, em Inhumas, no Centro de Referência e Assistência Social. “Eu me emocionei muitas vezes. Na Basílica, com a presença do meu marido, Fernando Silva, e minha mãe, Marlene Gaspar.” Fernando tentou vaga na seletiva para acompanhar a mulher, mas não conseguiu.

Na segunda emoção do dia, Lorena foi escolhida para conduzir a bandeira da Caminhada Ecológica ao lado do atleta Adenir Santana, que mora em Goianira. “Eu o vi com a família próxima, as filhas. Foi lindo. Mostra o quanto é importante a família, as coisas simples”, opinou Lorena, sobre a primeira recepção do dia, em Goianira, onde houve plantio de algumas mudas.

Símbolo da Caminhada Ecológica, o troféu Jaburu passou pelas mãos dos prefeitos das cidades do primeiro dia - Goianira, Brazabrantes, Caturaí, Inhumas e Itauçu.

Em Goianira, na entrada, os atletas conheceram projeto desenvolvido pelo artesão Marcos Antônio Muniz Barreto - o projeto “O lixo que virou luxo”. Há cerca de oito anos, Marcos recolhe pneus velhos para tratá-los e reaproveitá-los fazendo peças, que depois são vendidas à beira da Rodovia GO-070.

No trevo de acesso a Brazabrantes, o pequeno Erick Gabriel, de 11 anos, exibia orgulhoso a camisa 20 da escolinha onde treina e joga. Mas ficou curioso ao ver que panfletos, sobre educação no trânsito, eram distribuídos por funcionárias do Detran, que apoia a Caminhada Ecológica. Erick pegou a sacolinha com panfletos, fez algumas perguntas sobre carros e disse que entregaria o material aos pais, em Brazabrantes.

A 28ª Caminhada Ecológica é realizada pelo POPULAR/Grupo Jaime Câmara (GJC), com patrocínio de Unimed Goiânia. O evento tem apoio de Detran/Governo de Goiás, Belcar, Bio Resíduos, Fast Açaí, Hospital Anis Rassi, Unifan, Sesi, Saneago, Casa da Nutrição Suprimentos e Probiótica. O apoio logístico é do Batalhão Rodoviário e do Corpo de Bombeiros de Goiás.